HOME | Principais Cidades de São Paulo | Regiões e Cidades | Turismo e Cultura | Mapas Temáticos | Artigos | Mapa do Site
 
  Cubatão: Referência mundial em recuperação ambiental. Recebeu o selo verde da ONU
 
 
Para saber mais sobre a cidade
e outras conveniências:
Distância da capital: 47 km
A cidade
Números
Como chegar
Distância entre as cidade da região
Mapas Temáticos - Índice

 
     

Cubatão localiza-se na Região Metropolitana da Baixada Santista, a apenas 12 km de distância do Porto de Santos e a 47 km da capital do Estado.

O acesso rodoviário ao município pode ser feito por meio do Sistema Anchieta-Imigrantes e pela SP-55 Rodovia Padre Manoel da Nóbrega. Também existe conexão ferroviária com ramais das antigas Fepasa e Rede Ferroviária Federal.

A atividade econômica predominante é a industrial, destacando-se os setores de siderurgia, petroquímica e fertilizantes. O pólo industrial de Cubatão – o primeiro do país – começou a se formar na década de 50, quando foram inauguradas a Refinaria Presidente Bernardes, a unidade geradora da Usina Henry Borden e o oleoduto para transportar derivados de petróleo de Santos a São Paulo. Vantagens, como a proximidade com o maior porto da América Latina e abundância de água e energia elétrica, estimularam a instalação de indústrias petroquímicas e siderúrgicas na região. Essas empresas geraram sérios problemas ambientais nos anos 70, tornando Cubatão conhecida como a cidade mais poluída do mundo.

Hoje, entretanto, o município é referência mundial em recuperação ambiental, tendo recebido o selo verde da ONU. Por meio da parceria entre a prefeitura, a Cetesb, as indústrias e a comunidade, foram adotadas medidas rígidas, que ocasionaram a redução dos índices de poluição em até 93%. A quase totalidade das fontes primárias das indústrias foi controlada e está sendo implantado, também, o controle de fontes secundárias. Foi desenvolvido um plano de reflorestamento das encostas, juntamente com a despoluição dos mananciais. Com a abertura do mercado, a maioria das indústrias locais passou a adotar padrões de qualidade total, aperfeiçoando métodos de trabalho e processos industriais e conquistando certificados ISO 9000, com vista a atender os interesses de clientes, acionistas, empregados e vizinhos. A reciclagem de lixo industrial tende a crescer cada vez mais. A Refinaria Presidente Bernardes, por exemplo, vem destinando resíduos sólidos para a indústria de cimento.

As principais empresas instaladas no pólo industrial são de grande porte, como Aga (gases), BOC (gases), Bunge (fertilizantes), Carbocloro (química), Cia. Brasileira de Estireno – CBE (química), Columbian Chemicals, Copebrás (química), Cia. Siderúrgica Paulista – Cosipa (siderúrgica), Dow (química), Engebasa (mecânica), Engeclor (química), Fosfertil (fertilizantes), Gesso Paulista – Gespa, Hidromar (química), Fertilizantes Serrana, IFC (fertilizantes), Liquid Química, Manah (fertilizantes), Petrobrás/RPBC–Refinaria Presidente Bernardes Cubatão (petroquímica), Petrocoque, Rhodia, Votorantim (cimento), Santista de Papel, Solorrico/Cargill (fertilizantes), Ultrafertil (fertilizantes), Union Carbide (química), White Martins (gases). Em breve, o município poderá dispor de uma incubadora de empresas, a ser instalada por meio de uma parceria entre prefeitura, Ciesp-Fiesp e Sebrae.

No início de 2003, o governo paulista e a prefeitura de Cubatão assinaram um termo de compromisso para a construção do Terminal de Comércio Exterior de Produtos Agropecuários de São Paulo (Agroporto), que deverá gerar riqueza e empregos na região e ampliar mercados para pequenos e médios agricultores paulistas. Este projeto visa estimular a exportação de produtos agrícolas, principalmente os de maior valor agregado, possibilitando o aumento da participação do agronegócio no total do PIB do Estado, que hoje gira em torno de 39%.

Será criada uma sociedade com a participação da iniciativa privada, que construirá o agroporto e será responsável por sua operação, e de representantes das três esferas governamentais. Assim, a prefeitura, com o objetivo de criar empregos prioritariamente para moradores de Cubatão, oferecerá incentivos fiscais, como isenção de IPTU, ITBI e ISSQN, por prazos que variam de acordo com o número de empregos oferecidos a trabalhadores locais pela empresa interessada em se instalar no terminal.

 

O governo estadual, por sua vez, se encarregará da infra-estrutura de apoio, com a construção de um pier e rodovias de acesso aos pátios e armazéns, enquanto a União deverá implantar unidades de controle aduaneiro da Receita Federal e firmar parcerias com o Porto de Santos, ferrovias e empresários do setor.

Está prevista a construção de 540 galpões para processamento de produtos agropecuários, assegurando-se, ainda, assistência técnica e prestação de serviços acessórios para facilitar e reduzir custos de exportação/importação, com base no aperfeiçoamento da logística de transporte, armazenamento, manuseio e distribuição desses produtos.

O agroporto será implantado a menos de um quilômetro do Porto de Santos, em uma área de mangue, e, por isso, necessita de licenciamento de órgãos ambientais. Para agilizar o funcionamento do projeto, a Cosipa disponibilizou parte de seu terminal marítimo privativo, por onde efetua, desde 1970, o desembarque de matéria-prima para fabricação do aço e a exportação de laminados planos. O terminal permite a atracação simultânea de cinco navios de cabotagem ou longo curso. Com a recente instalação de dois novos pátios alfandegados – um com capacidade para abrigar 8 mil veículos e, o outro, para 9 mil contêineres –, o movimento de cargas do terminal, que hoje é de oito milhões de toneladas por ano, pode aumentar para 12 milhões de toneladas anuais.

O empreendimento deverá atrair, também, empresas de transformação das matérias-primas produzidas pela indústria de base já instalada na cidade, como o pólo metal-mecânico na antiga Vila Parisi, onde está sendo desenvolvido o Projeto Cincu, com estacionamento para dois mil caminhões e um centro empresarial.

Outro projeto que irá beneficiar Cubatão é o Parque Caminhos do Mar, que será implantado pelo Instituto Florestal – IF e pela Empresa Metropolitana de Águas e Energia – Emae. Com vista a transformar a região da Serra do Mar – uma área tombada de mais de 1,2 milhão de hectares, com parques, reservas, áreas de proteção ambiental, esporões, morros isolados, ilhas e trechos de planícies litorâneas – em um grande pólo ecoturístico aberto à visitação pública, serão adotadas algumas medidas, como recuperação da pista da Estrada Velha do Caminho do Mar, interditada ao tráfego desde 1994, reforma de monumentos históricos e implantação de infra-estrutura de apoio aos visitantes (construção de um centro de informações, recepção, portais, lanchonetes, banheiros e lojas, além da adaptação de uso das trilhas na serra).

Entre os bens culturais de Cubatão, destacam-se a Calçada do Lorena, de 1792, primeiro caminho em pedras que ligava o litoral ao planalto, e vários monumentos históricos construídos por Victor Dubugras, em 1922, ao longo do Caminho do Mar (primeira estrada pavimentada de concreto armado da América Latina), tais como: Cruzeiro Quinhentista, Pontilhão da Serra, Belvedere Circular, Padrão do Lorena, Rancho da Maioridade e o Pouso de Paranapiacaba, com uma excepcional paisagem.

Na área da educação, a cidade conta com diversas escolas municipais e estaduais de ensino fundamental. Há estabelecimentos que oferecem ensino técnico profissionalizante, como o Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo – Cefetsp, com cursos de Eletrônica, Processamento de Dados e Informática Industrial, além de uma unidade local do Senai. A população também tem acesso às instituições de ensino superior localizadas em outros municípios da Baixada Santista, especialmente Santos. Além disso, a Petrobrás, em conjunto com a USP, construirá o Centro de Pesquisa e Ensino Ambiental, que deverá beneficiar toda a região.
Cubatão dispõe de dois hospitais, diversas unidades de saúde, pronto-socorros, clínicas particulares e laboratórios.

O município possui 10 agências bancárias e alguns hotéis. Há 19,7 terminais telefônicos para cada grupo de 100 habitantes, além de retransmissoras de televisão, quatro emissoras de radio, dois jornais e provedores de acesso à Internet.

 
Fontes consultadas: Fundação SEADE • Investimentos.SP - 2008